Home / Destaque / SME quer retomada já dos voos para aeroporto da Pampulha

SME quer retomada já dos voos para aeroporto da Pampulha

Durante 51 anos, o Aeroporto da Pampulha reinou absoluto como ponto de partida e chegada para quem ia de avião para outras capitais e cidades do interior de Minas. Nem mesmo a inauguração do Aeroporto de Confins, em 1984, retirou da Pampulha o recorde de 3,14 milhões passageiros embarcados e desembarcados, registrado em 2004.

Hoje, a situação é muito diferente. O aeroporto da Pampulha está no mais absoluto ostracismo desde 2005, quando os voos de Belo Horizonte para outras capitais foram transferidos para o Aeroporto Internacional de Confins. Tampouco há sinais de que a situação vá mudar no curto prazo.

De concreto, o que existe é só a previsão de privatização do aeroporto, prevista para o ano que vem. De acordo com o Ministério da Infraestrutura, que irá conduzir a privatização, o modelo do edital ainda está sendo preparado, não havendo, por ora, qualquer informação que possa ser adiantada sobre o assunto.

A favor da volta dos voos à Pampulha estão o prefeito de Belo Horizonte, Alexandre Kalil e a Sociedade Mineira de Engenheiros (SME). Kalil tem defendido a ideia de que um aeroporto é importante por se tratar de um equipamento capaz de gerar emprego e renda e também porque traz conforto para a população, que pode usufruir de voos ligando aeroportos centrais de capitais do Sudeste.

É o que defende, também, a SME. Para a entidade, a oferta de voos tendo como origem e destino o aeroporto da Pampulha é importante para dar mais opções para os usuários do transporte aéreo, como os empresários, que muitas vezes são obrigados a deslocamentos constantes entre Belo Horizonte, Rio e São Paulo e acabam perdendo muito tempo no caminho entre a capital e o aeroporto de Confins.

Outra alegação para a reativação da Pampulha é de natureza econômica. No entender do presidente da SME, Ronaldo Gusmão, a medida significa a geração de emprego e renda em Belo Horizonte e, ao mesmo tempo, evita que uma empresa pública, como a Infraero, seja obrigada a arcar com o prejuízo da ordem de R$ 35 milhões por ano para a Infraero, correspondente à não operação da Pampulha. No caso da Infraero, lembra Ronaldo Gusmão, a conta do prejuízo vai para o contribuinte, já que a empresa é uma estatal federal.

Para o presidente da SME, se a Agência Nacional de Aviação Civil (Anac) conseguir fazer um gerenciamento integrado dos dois aeroportos – Pampulha e Confins – ambos poderão operar sem que um prejudique o outro. O mesmo ponto de vista defende Alexandre Kalil.

Ostracismo – A “morte” do aeroporto da Pampulha, decretada em 2005, foi resultado de pressão feita, na época, pelo governo de Minas, que tinha o crescimento do chamado Vetor Norte de Belo Horizonte como uma das prioridades, junto com a construção da Cidade Administrativa, que fica no caminho entre Belo Horizonte e o aeroporto de Confins. Com isso, em 2005, a Anac e a Empresa Brasileira de Infraestrutura Aeroportuária (Infraero) determinaram a transferência para Confins todos os voos nacionais, ficando na Pampulha apenas os regionais.

Em setembro de 2017, a SME realizou, em sua sede, debate sobre a reativação do aeroporto da Pampulha. Na ocasião, o então presidente da Infraero, Antônio Claret, anunciou que a empresa tinha projetos para a ampliação do terminal de passageiros com vistas à retomada dos voos para outras capitais, medida que estava em fase final de planejamento pela Anac. A única exigência era que, nestes voos, os aviões teriam que fazer uma escala no interior, antes de chegarem ao seu destino final.

A retomada quase ocorreu. Um mês depois, em outubro de 2017, o governo federal publicou portaria autorizando a medida. Mas, em novembro daquele mesmo ano, a BH Airport, que administra o terminal de Confins, entrou com um mandado de segurança e pedido de liminar no Superior Tribunal de Justiça (STJ) contra a portaria que reativava o aeroporto de Pampulha para de voos de longa distância. Dona da concessionária BH Airport, a empreiteira CCR afirmou, na ocasião, que a possível operação simultânea dos terminais de Confins e Pampulha seria “comercialmente inviável” e prejudicial ao Estado de Minas Gerais.

Em dezembro daquele mesmo ano, decisão cautelar do Tribunal de Contas da União (TCU), proíbe voos comerciais interestaduais partindo do aeroporto da Pampulha. A decisão foi acatada pelo Ministério dos Transportes. O mérito da cautelar foi julgado pelo TCU somente em março deste ano, quando o Tribunal considerou o contrário – que não havia impedimento para a volta dos voos interestaduais à Pampulha.

Porém, na sequencia, veio a decisão do Ministério da Infraestrutura, que determinou a manutenção do aeroporto apenas para voos regionais. No despacho, contudo, o ministro Bruno Dantas, relator do processo, destacou que a decisão final sobre a situação do terminal é do ministério. Em nota, o ministério informou que manterá a restrição até que sejam concluídos estudos sobre a viabilidade do terminal e definida a modelagem para a sua concessão.

No dia 26 de junho, o ministro da Infraestrutura, Tarcísio de Freitas, disse que o governo quer conceder para a iniciativa privada o aeroporto da Pampulha de forma associada com o aeroporto de Confins, de cujo capital a Infraero detém 49%. A Pampulha pertence 100% à Infraero. O modelo em estudo prevê que o vencedor do leilão do aeroporto da Pampulha fique, também, com a participação da Infraero em Confins.

Sobre CPD

Veja Também

SME mantém atividades suspensas, atendendo em regime de plantão, pela manhã

COMUNICADO Em sintonia com as recomendações das autoridades da área de saúde relativamente ao combate …

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.