Home / Destaque / Engenheiros pedem cuidado na reconstrução das áreas afetadas pelas chuvas

Engenheiros pedem cuidado na reconstrução das áreas afetadas pelas chuvas

Passada a temporada das chuvas fortes, a prefeitura anunciou, na última semana, o início da operação de reconstrução das áreas da cidade que foram afetadas pelos temporais.  Em sua maior parte, são obras de recomposição do piso asfáltico, como na avenida Tereza Cristina, a mais afetada pelas chuvas, com o transbordamento do ribeirão Arrudas. No total, são 221 obras, que custarão algo entre R$ 150 milhões e R$ 200 milhões.

O engenheiro Luis Otávio Portela, vice-presidente da SME, acha importante reconstruir os pontos que foram degradados pela chuva. Mas chama a atenção para a necessidade de se fazer um escalonamento, de forma a se priorizar as obras emergenciais e fazer um planejamento para o restante. “O momento atual, dentro do período de chuvas, não é o mais indicado para se realizar obras”, afirma Luis Portela.

Para ele, é preciso que a prefeitura atente para a necessidade de se fazer o redimensionamento de obras que, este ano, se mostraram insuficientes para evitar o transbordamento de cursos d’água. Como exemplo, aponta o Arrudas na avenida Tereza Cristina, que transbordou várias vezes no atual período chuvoso.

“Há necessidade de serem reestudados os métodos de cálculo e seus respectivos coeficientes de forma a termos dimensionamentos de obras mais coerentes com a realidade”, afirmou Luis Portela, que também enfatizou a importância de a prefeitura e o governo do Estado garantirem os recursos para a construção das bacias de contenção do córrego Ferrugem, em Belo Horizonte e Contagem na região oeste de BH. Caso isso não seja feito, o Arrudas continuará, segundo ele, a transbordar na Tereza Cristina.

O engenheiro civil e especialista em hidráulica, Sérgio Menin, também da SME bate na mesma tecla, de que é importante refazer o que foi estragado pelas chuvas e recolocar a cidade novamente em seu funcionamento normal. Porém, chama a atenção para a necessidade de, ao mesmo tempo, como política de longo prazo, se rediscutir a concepção do sistema de drenagem de Belo Horizonte, que, segundo ele, não está adequado à proteção segura da cidade. “Nas últimas chuvas, ele não funcionou”, afirmou Menin.

Sobre CPD

Veja Também

Sisema disponibiliza mais dados sobre saneamento em sua plataforma

Já estão disponíveis para consulta na Infraestrutura de Dados Espaciais do Sistema Estadual de Meio …

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.