Home / Notícias / O mundo que queremos

O mundo que queremos

Com a preocupação de cuidar da geração atual e atender às suas necessidades, assegurando também as exigências e necessidades das gerações futuras, foram lançados pela ONU os ODS-Objetivos de Desenvolvimento Sustentável. 193 países assinaram a Agenda 2030, um plano global composto de 17 objetivos com o compromisso de implementar os ODS no mundo até 2030, alcançando um desenvolvimento sustentável em todos os âmbitos. Márcia Magalhães, engenheira civil e colaboradora do SDSN Minas-Sustainable Development Solution Network capítulo Minas Gerais, rede de soluções para o desenvolvimento sustentável da ONU, nos explicou, em entrevista exclusiva, como funciona a Agenda2030. Acompanhe!

SME: Dos 17 ODS da Agenda 2030 existe um mais importante?
Márcia Magalhães: Na Agenda 2030 um objetivo não é mais importante que o outro, pois eles se complementam. Por exemplo, ao falar do ODS1 (erradicação da pobreza) e do ODS2 (acabar com a fome), você trabalha um objetivo e ao mesmo tempo trabalha o outro, pois esses dois objetivos estão associados, eles se intercalam.

SME: Como os 193 países signatários cumprem os ODS?
MM: Cada país identifica onde tem um “gap”, ou seja, uma lacuna a ser preenchida, uma carência. Por exemplo, hoje no Brasil estamos trabalhando com o ODS11 (Cidades e Comunidades Sustentáveis). É um grande desafio, já que somos predominantemente urbanos (85% da população da América Latina vive em cidades) e para onde, afinal, convergem todos os problemas: habitação, saúde, educação, mobilidade, empregos e empreendedorismo. Eis aí a lista de oportunidades!

SME: O ODS17 fala em Parcerias e Meios de Implementação. Como funciona essa ODS?
MM: Isso quer dizer o seguinte: para que esses objetivos aconteçam é necessário que existam recursos. No que o país identificar como importante, ele deve buscar parcerias para realizar o objetivo e apresentar resultados. Pode ser através de bancos, de instituições financeiras, de instituições do terceiro setor, outros países interessados na causa, enfim descobrir onde esse recurso está disponível e construir um acordo, um compromisso.

SME: Como é ser parte de uma rede internacional de sustentabilidade-SDSN (Sustainable Development Solution Network), na condição de colaboradora da ONU?
MM: A ONU congrega eventos e países, mas não produz conteúdo. A grande modernidade desse trabalho é efetivamente trabalhar em rede: a SDSN cria uma conexão em rede com instituições que são interessadas nesse assunto e nós vamos fazendo conexão, conhecendo e compartilhando projetos. No caso da SDSN Minas, toda última quinta-feira do mês realizamos uma transmissão ao vivo e aberta, onde pessoas de expressão em instituições que tenham realizado ações efetivas apresentam seus relatórios, conclusões, resultados e experiências. Não se trata de uma entidade física. É uma rede que funciona totalmente conectada, que informa o que são os ODS, a AGENDA 2030, porque e para que existem, como surgiram e o que está acontecendo relacionado a eles, lembrando nosso foco em Cidades.

SME: Como as pessoas podem participar, se conectar e apoiar financeiramente essa rede?
MM: Para participar, basta cadastrar-se em http://conteudo.baanko.com/sdsnminas. Essa rede é para instituições, mas pessoas podem se conectar e serão informadas das agendas de trabalho em andamento, assim como os encontros mensais.

                                                                                                 Márcia Magalhães e André Mattioli

Sobre Marina Duarte

Veja Também

Rubens Menin recebe Prêmio Global de Empreendedor do Ano

Fundador da MRV engenharia foi escolhido entre profissionais de quase 50 países No dia 16 …

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.