Home / Destaque / SME pede revisão de critérios para obras de canalização em BH

SME pede revisão de critérios para obras de canalização em BH

A Sociedade Mineira de Engenheiros (SME) divulgou nota à imprensa em que defende a revisão dos critérios adotados para o cálculo da vazão de canais de cursos d’água que estão sendo canalizados. O objetivo, segundo a entidade, é evitar o subdimensionamento de canalizações como a do Arrudas na avenida Tereza Cristina, na região Oeste de BH, que recorrentemente transborda. Para não se repetir o que ocorreu na canalização da Tereza Cristina, é fundamental, de acordo com a entidade, que o poder público divulgue tais projetos, a fim de que eventuais erros possam ser corrigidos a tempo. A íntegra da nota da SME é a seguinte:

1 – O volume de chuvas da última semana constitui um evento raro. Segundo cálculos de especialistas da SME, o tempo de recorrência das últimas chuvas situa-se entre os limites probabilísticos de 171 a 209 anos. Tempo de recorrência é um termo técnico que designa o intervalo médio de tempo para duas ocorrências sucessivas de um evento extremo, como uma chuva de grande intensidade. No caso da estimativa feita para a chuva da semana passada em Belo Horizonte, o tempo de recorrência médio seria de aproximadamente dois séculos.

2 – A despeito de tratar-se de um evento raro, a precipitação ocorrida na quinta e na sexta-feira da semana passada não deve ser utilizada para encobrir algumas questões sobre as quais o poder público não pode omitir-se e que estão relacionadas às técnicas da engenharia.

3 – Uma delas diz respeito à canalização da avenida Tereza Cristina, na região oeste de Belo Horizonte. Recorrentemente, em chuvas de volume muito menor que o registrado na semana passada, as águas do ribeirão Arrudas, que corre canalizado entre suas duas pistas de rolamento, transbordam, inundando edificações e arrastando carros e tudo mais que encontram pela frente.

4 – O Arrudas é o principal curso d’água que corta Belo Horizonte. No trecho do Arrudas que começa no final da avenida Barbacena e vai até próximo à entrada do bairro Horto, na região Leste de Belo Horizonte, foi utilizado o critério tradicional de cálculo da capacidade de vazão do canal. Para aquele trecho, cuja obra de canalização remonta aos anos de 1980 e 1990, a vazão foi calculada para um tempo de recorrência médio da ordem de 100 anos em todo o trecho. Ou seja, uma chuva como a de 2 de janeiro de 1983, a última grande chuva ocorrida em Belo Horizonte antes da realização da obra de canalização naquele trecho, ocorreria, em média, somente uma vez em cada século.

5 – Ainda que o tempo médio de recorrência estimado pela SME para as chuvas da semana passada tenha sido superior ao que foi utilizado para o dimensionamento do canal na área central de Belo Horizonte, os prejuízos naquele trecho não foram tão grandes quanto os registrados na avenida Tereza Cristina.

6 – Na região da avenida Tereza Cristina, a situação é muito diversa da encontrada na região central. Lá, o leito canalizado não suporta precipitações em volumes muito menores que os da semana passada, resultando no transbordamento mais frequente do Arrudas naquele trecho. Isso se deve à adoção, hoje, de critérios mais flexíveis de dimensionamento do canal.

7 – O uso desses critérios de projeto resulta em obras de canalização de menor custo, algo que o poder público deve sempre buscar. Porém, quando a obra resulta em um canal com a vazão subdimensionada, o que ocorre é que o ganho financeiro que o poder público obtém ao utilizar critérios mais flexíveis acaba sendo transferido para os moradores ribeirinhos, que são obrigados, estes sim, a arcar com a reconstrução de suas casas e empreendimentos comerciais. Trata-se, portanto, de uma situação injusta. Além dos prejuízos de natureza pessoal, é preciso levar em conta os transtornos que tais problemas causam a toda a cidade.

8 – Para a Tereza Cristina, ou seja, para o trecho superior do Arrudas, há duas soluções técnicas possíveis. Uma, em tese, seria o redimensionamento do canal, com o seu alargamento. Outra solução seria a construção de bacias de contenção, com barramentos (volume de espera) ou “piscinões” em outros trechos da bacia. As prefeituras da área metropolitana têm projetos para isso. Em nome da transparência, é preciso que divulguem quais são as bacias de contenção projetadas, qual o volume previsto para ser armazenado, e em que estágio cada um desses projetos está. Para não se repetir o que ocorreu na canalização da Tereza Cristina, com o subdimensionamento do canal, é fundamental que o poder público divulgue tais projetos, a fim de que eventuais erros possam ser corrigidos a tempo.

9 – Também em relação à Tereza Cristina, outra questão a ser considerada diz respeito ao encontro do córrego Ferrugem com o Arrudas. A junção dos dois cursos d’água se dá em geometria não favorável a facilitar o escoamento da água. O resultado é que o Ferrugem acaba por represar o Arrudas e vice-versa, ampliando, com isso, o risco do transbordamento de ambos. Por isso, quando da canalização do Ferrugem e do Arrudas, naquele ponto deveria ter sido realizada uma obra de retificação do Ferrugem para que seu encontro se desse em perpendicular ao Arrudas. A necessidade dessa obra de retificação permanece.

10 – Em função disso, a SME espera que as questões pontuadas nessa nota mereçam, por parte do poder público a devida atenção, especialmente em respeito à população que é a mais afetada quando as águas dos cursos d’água saem para fora de seus leitos, estejam eles canalizados ou não. A SME, por meio de seus quadros técnicos, está à disposição para discutir soluções técnicas para os problemas aqui apontados.

Sobre CPD

Veja Também

Sisema disponibiliza mais dados sobre saneamento em sua plataforma

Já estão disponíveis para consulta na Infraestrutura de Dados Espaciais do Sistema Estadual de Meio …

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.