Home / Destaque / Na SME, Sudecap faz balanço de atividades e anuncia duas grandes obras

Na SME, Sudecap faz balanço de atividades e anuncia duas grandes obras

Belo Horizonte é um emaranhado de ruas, praças e avenidas que, se colocadas, em linha reta, equivaleriam à distância de uma viagem de ida e volta a Belém, no Pará. Da mesma forma que uma rodovia precisa de manutenção, ruas praças e avenidas também. É preciso que essas vias sejam recapeadas rotineiramente. Uma cidade tem ruas, praças e avenidas. Não é uma floresta, mas também tem árvores, que convivem, bem ou mal, com a vida urbana. Essa convivência exige que o espaço das árvores seja definido e harmonizado com o das pessoas. Para isso, as árvores têm que ser podadas regularmente, ou suprimidas quando atingirem o fim de sua vida útil. Uma cidade também demanda grandes obras, como a construção de vias expressas, de trânsito rápido, viadutos e barragens de contenção das águas de chuva, no verão, para evitar enchentes.

Para que a cidade funcione sem sobressaltos, é preciso que exista um órgão dedicado a realizar tudo isso de forma rotineira. Em Belo Horizonte, o responsável pelo “funcionamento” da infraestrutura física da cidade é a Superintendência de Desenvolvimento da Capital (Sudecap), autarquia fundada há exatos 30 anos, em abril de 1969. O início de suas atividades foi marcado por uma obra que, ainda hoje, é de grande importância para a mobilidade dos belo-horizontinos: o túnel da Lagoinha, que liga o centro da cidade à região leste da Capital.

“Sem a Sudecap, a cidade pára”, afirmou o superintendente do órgão, engenheiro Henrique Castilho, em palestra recente na Sociedade Mineira de Engenheiros (SME). Segundo ele, dos órgãos que foram a administração pública municipal, apenas dois não dependem da Sudecap para a execução de suas obras. Um é Companhia de Transporte e Trânsito de Belo Horizonte (BHTrans); o outro é a Secretaria Municipal de Educação (Smed), que realiza, ela própria, todas as obras de construção e reforma de escolas. Tudo mais, como ele ressaltou, passa pela Sudecap, para que seja planejado e executado.

PBH recapeou 377 quilômetros desde 2016; Cidade tem 5 mil quilômetros de ruas, avenidas e praças/Foto: PBH/divulgação

Na manutenção viária, entre 2016 e 2019, quase um décimo – 377 quilômetros – dos cerca de 5 mil quilômetros de ruas, praças e avenidas que Belo Horizonte possui já terão sido recapeados. O número de buracos na pista que foram tampados pelas famosas operações tapa-buracos também aumentou entre 2017 e 2019. Passou 17 mil 404 em 2017, para 115 mil até 25 de julho último. O aumento se deveu, segundo Henrique Castilho, ao melhor acompanhamento das empreiteiras contratadas para esta finalidade e também ao início do funcionamento do aplicativo da Prefeitura de Belo Horizonte (PBH) por meio do qual o cidadão solicita este tipo de serviço.

Igualmente aumentou o número de cortes e podas de árvores, serviço que, como ressalta o superintendente da Sudecap, é essencial para evitar que caiam, matando pessoas. Entre 2016 e 2019, o número de árvores cortadas passou de 2,4 mil para 15 mil ao ano. “Ninguém cortava árvores em BH”, afirmou Henrique Castilho ao explicar a razão do aumento ocorrido ano a ano. Segundo ele, a prioridade, nos últimos anos, foi a correção dessa distorção, com a supressão das árvores que poderiam cair sobre carros e pessoas. A partir deste ano, será intensificado o plantio de novas árvores.

Grandes obras – Além dos pequenos serviços, a Sudecap está no planejamento final de duas grandes obras na cidade. Uma delas é o Expresso Amazonas. A outra é a que irá pôr fim às enchentes na avenida Vilarinho, na região Leste da capital. O Expresso Amazonas está com o projeto concluído e, no momento, a Prefeitura trabalha na captação de recursos junto ao Banco Mundial. O objetivo é a implantação de um corredor de transporte coletivo expresso para melhorar a acessibilidade da região oeste de Belo Horizonte, de forma a proporcionar a redução do tempo das viagens e o aumento do conforto e segurança dos usuários.

A obra da Vilarinho deverá custar entre R$ 500 milhões e R$ 1 bilhão e, segundo o superintendente da Sudecap, não será uma transposição de bacias, como segundo ele, chegou a ser divulgado. De acordo com a Sudecap, no momento, estão sendo feitos os estudos hidrológicos para a obra, assim como definidas as soluções de micro e macrodrenagem dos córregos que compõem a bacia do córrego Isidoro. “São estudos complexos que abrangem todas a bacia, com o objetivo de apontar soluções economicamente viáveis e tecnicamente efetivas”, explicou o superintendente da Sudecap, que, entretanto, evitou dar mais detalhes do projeto, por tratar-se de algo que ainda está em desenvolvimento.

No momento, a Sudecap tem 28 obras em andamento na cidade, ao custo de R$ 401 milhões. Trata-se de um cenário que contrasta com a realidade do Estado e da União, que estão com sérios problemas de caixa. De acordo com Henrique Castilho, tal situação se deve, segundo ele, à própria autarquia, que passou por uma completa reformulação no atual governo e trabalha segundo dois pilares: planejamento e transparência. Tal reestruturação tem, segundo ele, tornado mais ágil a captação de recursos junto ao governo federal e também no exterior.

As perspectivas para os próximos dois anos são de conclusão de mais 90 projetos, sendo 26 de edificações e 64 projetos de infraestrutura com diversos empreendimentos de grande porte. A previsão de desembolso para projetos, de recursos próprios ou financiamentos federais e internacionais, pode chegar a R$ 50 milhões nos próximos dois anos de gestão

Sobre CPD

Veja Também

De olho no futuro, Codemge aposta nas novas tecnologias

Dante de Matos apresentou seus projetos em evento realizado na Sociedade Mineira de Engenheiros (SME) …

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.